Home / Destaque / Vitória da Conquista: TRF-1 mantém decisão sobre indisponibilidade de bens de empresa

Vitória da Conquista: TRF-1 mantém decisão sobre indisponibilidade de bens de empresa

A 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) negou o pedido da Fazenda Nacional para bloqueio de contas de uma empresa e do sócio-gerente e apelou da decisão da 1ª Vara Federal de Vitória da Conquista, no sudoeste baiano, que decretou a indisponibilidade de bens ativos de uma empresa devedora de tributos. A Turma entendeu que o bloqueio que afetou a empresa e de seu sócio-gerente só pode ser feito com a comprovação da responsabilidade tributária, dentro dos limites da Medida Cautelar Fiscal da Lei nº 8.397/1992.   A 1ª Vara Federal de Vitória da Conquista havia decretado a indisponibilidade dos bens, sob o fundamento que a dívida tributária cobrada é superior a 30% do patrimônio conhecido da empresa e de seu sócio. A Fazenda Nacional requereu a penhora dos ativos sob o argumento de que os bens existentes não garante o pagamento dos débitos tributários. A empresa e o sócio, em sua defesa, alegaram que a indisponibilidade deve se limitar ao ativo permanente, não podendo se estender aos bens ativos circulantes. Alegou ainda que o bloqueio das contas do sócio só pode ser autorizado quando comprovada a responsabilidade tributária, como previsto no Código Tributário Nacional, o que não ocorreu.   Ao analisar o caso, a relatora, desembargadora Ângela Catão, destacou que a discussão está relacionada quanto à incidência do art. 2º, VI, da Lei nº 8.397/1992, que se aplica sobre a legalidade da indisponibilidade dos bens e ativos financeiros da devedora principal e do sócio-gerente. “Pelo que do que se depreende dos autos, inexistente a dissolução irregular da sociedade, pelo menos à época do pedido, também não ficou comprovada qualquer tentativa de fraude à execução ou dilapidação dos bens. Ora, o simples fato de os débitos tributários serem maiores que o ativo permanente da empresa não é motivo suficiente para a adoção da medida, que, como dito, é excepcional. Em verdade, além da indisponibilidade do ativo circulante prejudicar em demasia o funcionamento da empresa, reduzindo assim suas chances de sobrevivência, também prejudica a própria FN, que teria reduzidas as chances de quitação dos débitos tributários diante da paralisação das atividades da devedora principal. A restrição, portanto, deve limitar-se ao seu ativo permanente”, afirmou a magistrada. Para concluir, afirmou que, “para a decretação da indisponibilidade dos bens do sócio-gerente” deve estar comprovada a existência dos requisitos exigidos no Código Tributário, como “a dissolução irregular da sociedade ou que ele tenha agido com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos”.

Veja Também

IBICARAÍ: EM VISITA A CRECHE RECÉM REFORMADA, VICE-PREFEITA IDENTIFICA DIVERSOS PROBLEMAS

A Vice-Prefeita de Ibicaraí, Adriana Assis (PODE), visitou à Creche Raimunda Mota, no Bairro do ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *