Home / Uncategorized / Uesc pode ter greve geral a partir de abril

Uesc pode ter greve geral a partir de abril

Um comando de mobilização foi criado com o objetivo de efetivar ações de mobilização interna e conscientização da sociedade. (Foto Divulgação)

Reunidos em assembleia da Adusc, os professores da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) aprovaram o “estado de greve” da categoria. A medida é um alerta ao governo Rui Costa, que não recebe os docentes há mais de um ano e “segue aprofundando os ataques aos salários e direitos”, segundo nota da entidade.Os quatro anos sem recomposição da inflação se soma a uma longa espera pelo cumprimento de progressões e promoções, o aumento na contribuição previdenciária e a alteração no limite da carga horária docente em sala de aula para professores em regime de Dedicação Exclusiva (DE).A categoria diz que está disposta a iniciar uma greve a partir de abril. Um comando de mobilização foi criado com o objetivo de efetivar ações de mobilização interna e conscientização da sociedade. O estado de greve é um período que antecede uma possível greve, um alerta e um ultimato.

Segundo a Adusc, uma perda salarial de mais de 26% faz a categoria sofrer o maior arrocho salarial dos últimos 20 anos. O governador Rui Costa também aumentou a contribuição previdenciária de 12% para 14%, ao mesmo tempo em que diminuia a parte do próprio governo.

O estado fez alterações, consideradas arbitrárias pela Adusc, no planejamento da carga horária de ensino para quem possui Regime de dedicação exclusiva (RDE). As promoções e progressões foram paralisadas. Por fim, os educadores reclamam de um parecer da Procuradoria Geral do Estado (PGE).Ele questiona o uso de mesmo título para concurso, promoção e incentivo para pós-graduação. O representante da Adufs, Gean Santana, que esteve na assembleia, explicou que o parecer foi suspenso, por isso não há ainda motivo para uma medida judicial. Porém, “a pressão política da categoria sobre a questão é necessária”.O presidente da Adusc, José Luiz de França, diz que “os docentes da UESB, UNEB e UEFS votarão o estado de greve na próxima semana, e esperamos que o governo se posicione e instaure urgentemente a negociação até o início de abril, do contrário, a greve será inevitável”.

 

Veja Também

Eleição destroça a base do governo na Câmara Municipal

O Vereador César Porto (PDT) é o presidente da Câmara de Ilhéus vencendo a eleição ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *